Que métodos de compostagem existem?

25, Jan. 2022

A Mudatuga tanto fala sobre compostagem, mas afinal o que é que precisas mesmo de saber para seres ninja no assunto?

A compostagem é um processo controlado de degradação da matéria orgânica, em que podemos reciclar nutrientes de forma a tornarem-se biodisponíveis para as plantas. Quando nós pensamos em diferentes métodos de compostagem, no fundo estamos sempre a pensar num mesmo processo que pode acontecer de diversas formas. Nós acreditamos que não existe apenas uma forma de se tratar os resíduos domésticos orgânicos e vamos contar-te neste artigo tudo o que podes já ter questionado em relação à compostagem doméstica, comunitária, em casa, em apartamento e até – pasmem! – num estúdio pequenino.


A primeira grande lição que tens de levar deste artigo é que existem métodos diferentes para se fazer a compostagem: compostagem termofílica (de jardim), compostagem com minhocas (vermicompostagem), compostagem Bokashi (ou fermentação Bokashi) e compostagem Takakura (ou compostagem acelerada).


Existe um método melhor? Não! Nós acreditamos que existem formas que são mais ou menos adaptáveis, de acordo com a vida e limitações de cada pessoa.

Compostagem Termofílica

A compostagem termofílica, frequentemente chamada compostagem de jardim, é a mais simples de todas: precisas apenas de resíduos húmidos (de cozinha ou de jardim, contando que sejam verdes e/ou com alto teor de humidade, como cascas de banana, poda de relva fresca, restos de legumes e frutas em geral) e de resíduos secos (os tais castanhos, que são as folhas secas, pedaços de cartão, relva seca, palha, serradura, entre outras possibilidades).


Como fazer compostagem no jardim? É preciso criar camadas sobrepostas de resíduos verdes e castanhos, e sempre finalizar com uma camada de resíduos castanhos por cima. O mais importante deste método de compostagem é manter a proporção de 1:2 nos resíduos húmidos e secos, ou seja, para cada balde de resíduos da cozinha (chamados “resíduos húmidos”) metes 2 baldes de resíduos castanhos/secos, de forma a equilibrar a humidade. Além disso, esse método exige arejamento frequente, com revolvimento da pilha de composto pelo menos uma vez por semana. Também é necessário medirmos a temperatura e verificarmos se está de facto a aquecer ou não. Normalmente, neste tipo de compostagem, não deves colocar nenhum resíduo de origem animal ou cozinhado.

compostagem termofílica ou de jardim

Compostagem com minhocas (vermicompostagem)

A compostagem com minhocas, ou vermicompostagem, apresenta diversas vantagens em relação à termofílica, nomeadamente em relação ao tempo que demora para se obter o composto final. Com a ajuda das super minhocas californianas vermelhas (Eisenia aindrei), podemos obter adubo mais rapidamente. Também será necessário categorizar os nossos resíduos em secos e húmidos, porém desta vez a proporção recomendada é 1:1.Em relação às restrições de resíduos, as minhocas são um bocado mais exigentes, não sendo recomendado colocares nada cozinhado, nada cítrico ou ácido, nada de origem animal e nenhum resto vegetal com cheiro forte (menta, alecrim, salsa, coentros, etc). As minhocas têm no seu corpo o que chamamos de quimiorreceptores que as fazem fugir desses tipos de resíduos. Além disso, as “minhocas compostoras” também não são grandes amigas da luz, e sempre preferem estar em ambientes escuros.

vermicompostagem (compostagem com minhocas)

Compostagem Takakura

A compostagem Takakura, ou compostagem acelerada, é um método de compostagem muito semelhante à compostagem termofílica porém com uma “bomba caseira” de microrganismos aeróbios que vão acelerar o processo de decomposição. Começamos com a preparação de dois fermentos, um salgado e outro doce, e depois procede-se à preparação da base sólida, com terra, folhas e farinha de trigo. É de certeza o método mais democrático de compostagem, uma vez que não precisas de comprar nenhum material e podes começar a fazer compostagem num apartamento sem grandes dificuldades ou investimentos financeiros.


Nesses métodos de compostagem também é muito importante atentarem para a questão do oxigénio: os micro e macrorganismos envolvidos nesses processos todos respiram, e precisam de um ambiente com arejamento passivo e/ou ativo.O arejamento ativo é aquele que fazemos semanalmente na compostagem termofílica, com auxílio de ferramentas para revirar a pilha de composto. Na compostagem com minhocas, o arejamento ativo é feito pelas próprias ninjas tubulares: o movimento delas através do substrato promove o revolvimento do solo, trazendo oxigénio da superfície para dentro do substrato.O arejamento passivo ocorre por meio da penetração de ar de forma natural nos orifícios ou aberturas que os compostores têm. Nesses três métodos de compostagem, os compostores sempre devem ter “furinhos” ou frestas por onde o ar flui sem grande esforço, garantindo um processo aeróbio.

Compostagem Takakura

Compostagem Bokashi

O método Bokashi é o primo diferentão: ele envolve duas etapas distintas, sendo a primeira feita apenas com os resíduos orgânicos e a segunda feita com o auxílio de terra. A primeira etapa da Bokashi consiste na fermentação anaeróbia – que ocorre idealmente sem a presença de oxigénio. Ela segue uma lógica oposta aos três métodos mencionados acima, uma vez que deves evitar que o ar flua livremente dentro do compostor. Portanto, para realizá-la, irás precisar de um equipamento adequado para tal efeito, geralmente um balde hermeticamente fechado, munido de uma torneirinha por onde sai o biofertilizante líquido (“Chá” de Bokashi).


Depois da fermentação anaeróbia, na Bokashi, obtens uma massa fermentada em que os resíduos ainda estão num estado semelhante ao inicial, porém já com 25% a menos de volume e parcialmente “digeridos” pelos microrganismos eficientes anaeróbios. Ao fim de pelo menos 2 semanas de fermentação, vais agora misturar o teu fermentado com terra e observar todos os resíduos magicamente sumirem ao longo das duas semanas que seguem. Como podes ver, o processo todo é muito rápido, graças ao poder da fermentação de deixar os resíduos previamente tratados e prontos para se transformarem em nutrientes para o solo!
Para fazeres o método Bokashi, vais precisar de um “kit de compostagem Bokashi“, que inclui dois baldes fermentadores e o farelo Bokashi. O farelo Bokashi é um preparado de microrganismos eficientes que são responsáveis pelo processo todo que ocorre durante a primeira etapa.

Compostagem Bokashi (de apartamento)


Queres aprender cada um desses métodos em profundidade? Fica atent@, porque vamos destrinchar cada um desses métodos cá no blog da Mudatuga, e vais poder aprender connosco como fazer compostagem passo a passo, sem erros, sem odores, sem mosquinhas e sem traumas!


O artigo sobre compostagem Bokashi já saiu ? Consulta-o aqui.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos mais populares

Estes são os artigos que mais pessoas estão a ler. Será que te interessam?

Os 10 mitos da compostagem

Os 10 mitos da compostagem

A compostagem já existe há tanto tempo que é normal que durante estes anos todos se tenham criado mitos sobre ela. Estranho seria se não existissem! Mas infelizmente...

read more
Como fazer a compostagem de jardim? (termofílica)

Como fazer a compostagem de jardim? (termofílica)

Como fazer compostagem no teu jardim, quais as vantagens, como escolher o local para o compostor, que resíduos podes e não podes colocar, por onde começar e que fatores influenciam a compostagem, são apenas alguns dos tópicos que vamos abordar neste artigo!

read more